Linda Martins, 18, Salvador. Livros (os que leio e os que escrevo), minimalismo, estudos aleatórios e comida definem minha vida. Em constante evolução. Se você for suficientemente observador, verá que esta bio é diferente da bio do ano passado.

ENTREVISTA
Rudson Xaulin

RESENHA
Um beijo inesquecível

AUTORAIS
Baed

16.10.13

Kick-Ass 2 - Crítica (Contém Spoilers)

Eu acho que qualquer pessoa que me conheça, não que vocês me conheçam, sabe que eu não sou muito fã de filmes de ação, filmes cujos os roteiros são resumidos em pancadaria. Mas Kick-Ass é a exceção que faz a regra, eu sou perdidamente apaixonada por Kick-Ass! Por isso meus caros não esperem uma critica totalmente impessoal, porém se sintam a vontade para descordarem de mim.

Welcome to Justice Forever / Bem vindo à Justiça Para Sempre

Eu assisti a Kick-Ass 2 assim: com essa imagem péssima, essa legenda pior ainda e, pra completar o pacote, essa legenda oriental no fundo. Mas vi assim mesmo porque sou uma nerd pobre e vida louca. E a frase acima dita pelo Colonel Stars - vivido pelo bom e velho Jim Carrey - defini o filme. "Welcome to Justice Forever"

Se acalmem gente, eu não vou falar só maravilhas do filme... O que acabou acontecendo nessa sequencia é que o diretor teve medo de arriscar e acabou se apagando demais ao original, o que resultou numa inevitável repetição. A primeira meia hora de filme é quase a mesma coisa do primeiro, até algumas cenas.

Exceto pelo conflito de Mindy, a Hit Girl tentando se adaptar a vida adolescente social. E, como o esperado, tudo vai errado. Por outro lado, nós temos Dave se dando bem na vida de herói, se integrando a um grupo de super heróis, o Justice Forever.

E o dilema nesse ponto até chega a ser batido: Mindy não quer ser normal e Dave é uma merda de super herói. Mas é interessante mesmo assim como o filme ressalta os personagens tentando vencer suas lutas pessoais, como o Super Man segurando o mundo mesmo cercado de kriptonitas verdes - só que tudo isso numa escala humana.

E por fim como um terceiro ponto da história, Chris d'Amico, que desde o começo deixa claro seu objetivo doentio de vingar a morte do pai. E para isso ele recruta um grupo de bandidos bizarros e acrescenta a eles roupas estranhas que realmente dão a esses um ar medonho e divertido ao mesmo tempo.

O climax do filme é composto de muita pancadaria, sangue e super heróis com roupas ridículas. É quando chega ao final da luta, numa cena que é até clichê, que se percebe a diferença entre nós. pessoas comuns com desejos de heroísmo, e os heróis de verdade: eles matam, se preciso e a gente não.

E por último, mas definitivamente mais importante - e eu vou destacar isso porque sou mulherzinha e "mimizenta" - tem o romance. Sim, é desse romance mesmo que eu falo, um pouco contido e em palpável desenvolvimento, mas ele existe, no ponto certo de poder recuar se não for bem recebido. E eu não sei se ele faz bem ou mau, por ser esperado demais, mas posso dizer que gostei.

Bem, esse é Kick-Ass 2, repleto de humor negro, vilões perversos a serviço de um pobre menino rico, com a justiça prevalecendo - seja para os "vilões" ou "mocinhos" e como todo bom filme de herói, mostrando que o mundo não tá preparado para tamanho altruísmo. E que esse é um caminho sombrio, cheio de sacrifícios e, acima de tudo, solitário.



Kick-Ass 2 estreia nos cinemas brasileiros nessa sexta - 18/10.